NOVELAS NADA EXEMPLARES


Editora: Record e Altaya
Período de Publicação: 1979 e 1998
Arte da Capa: -

Para visualizar capas de outras edições brasileiras desse livro, clique AQUI.

Um moço em Curitiba só tem um remédio - afogar-se. Como não há mar, um tonel de rum serve. Mas nem todos encontram coragem ou lucidez para o tonel de rum. Há então o noivado, ser noivo de alguma coisa ou pessoa, evitar a garoa das noites, encontrar uma sala com sofá e o retrato de um parente morto suspenso na parede, tomar o café que lhe traz a futura sogra, e, aos domingos, há o ajantarado pegajoso da província - a noiva bordará, costurará, fará qualquer coisa com as mãos, talvez uma carícia. De um mundo aparentemente sem sobressaltos, o autor curitibano faz surgir personagens cujas histórias são marcadas pela crueldade e pelo patético. Os contos do escritor de Curitiba deixam de lado os temas mais elevados para mergulhar no tragicômico das famílias de classe média. Neles, concisão e contundência parecem pegar o leitor pelo colarinho e esfregar lhe na cara seus patéticos personagens. Novelas Nada Exemplares chamou a atenção de críticos e escritores como Otto Maria Carpeaux e Carlos Heitor Cony. Desde então, o provocador e provinciano Trevisan jamais deixou de surpreender seus leitores.

Coletânea de 30 contos: Pedrinho / No beco / O morto na sala / Gigi / Os meninos / Tia Galilea / Pensão Nápoles / Boa noite, senhor / Chuva / O noivo / Valsa de esquina / O convidado / Idílio / João e Maria / A velha querida / Asa de ema / O domingo / A aranha / Ponto de crochê / João Nicolau / Quarto de hotel / Às três da manhã / As maças / A sopa / Olho de peixe / Noites de amor em Granada / Meu avô / O autógrafo / Últimos dias / Penélope.

Edição Original: Novelas Nada Exemplares, 1959, Brasil, Editora José Olympio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário